Umidade do mel

Escrito em Postado em Aplicações Indústria Alimentícia, Deixe um comentário.

O mel é o adoçante natural mais antigo usado pelo homem. Este produto é um fluido viscoso produzido pelas abelhas principalmente a partir do néctar das flores. As abelhas o recolhem, depois o transformam e combinam com a enzima invertase (uma proteína) que contém a saliva das abelhas e finalmente o armazenam nos favos onde ocorre a maturação. A atividade dedicada à coleta de mel é conhecida como apicultura, onde certos parâmetros devem ser verificados para determinar a qualidade do mel.

O teor de umidade é um dos parâmetros mais importantes, pois é o único critério de composição do mel, que deve ser atendido como parte das normas do mel de abelhas para sua comercialização mundial de acordo com o Codex Alimentarius. A principal razão é que méis com maior teor de umidade podem fermentar, pois o mel é um produto muito higroscópico, ou seja, muito suscetível a absorver a umidade do ambiente. Acima de 60% de umidade ambiente, o mel retira a umidade desse ambiente, então o Codex sugere um valor máximo de umidade de 21 g/100 g de mel.

Devido a esta situação, é necessário determinar a umidade no mel. Este procedimento é realizado por meio de uma titulação Karl Fischer, onde uma amostra de mel é colocada com solvente orgânico para posterior titulação com o reagente Karl Fischer para obtenção da % de umidade presente naquela amostra.

Na Hanna Instruments, temos o titulador volumétrico Karl Fischer HI933, que mede o teor de água na faixa de 100 ppm a 100%. É parte de nossa nova geração de tituladores volumétricos Karl Fischer. Com recursos de última geração em um design compacto, este titulador oferece resultados precisos e requer menos espaço de laboratório. Obtenha determinações precisas do teor de água com o toque de um botão.

Siga-nos