Os Benefícios do Ozônio para Tratamento de Água

Escrito em Postado em Boletins Processo Industrial, Deixe um comentário.

Comumente se relaciona o ozônio com sua presença na atmosfera, que realiza uma filtragem dos raios ultravioletas considerados nocivos aos seres vivos, porém devido a sua natureza química, este é um forte oxidante que permite uma desinfecção eficaz como parte dos processos de purificação da água.

Sua presença foi descoberta pela primeira vez em 1840, mas apenas cinquenta anos depois seus poderes desinfetantes foram explorados e utilizados. Em 1893, o ozônio foi utilizado em uma aplicação em grande escala para tratar a água de consumo humano na Holanda. Durante o século XX o uso do ozônio se estendeu para o resto da Europa e ao Estados Unidos, onde é usado atualmente.

Durante a desinfecção da água são eliminados os seres patogênicos, uma vez que estes removidos, deve-se remover todo o resíduo de desinfetante antes de despejá-la em um corpo aquático natural. Para alguns desinfetantes, isto requer uma adição extra de algumas químicas, por exemplo, o cloro residual pode ser removido ao adicionar bissulfito de sódio na água; no entanto, a instabilidade natural do ozônio permite a eliminação do oxigênio sem a necessidade de adicionar produtos químicos adicionais, o que o torna ideal para tratamento de água.

A carência de produtos

A ausência de químicas perigosas, sua alta eficiência e a excelente remoção de odores desagradáveis são algumas das razões pelas quais as plantas de tratamento usam sistemas de desinfecção por ozônio. Na Europa, o ozônio é um desinfetante muito popular utilizado no tratamento de água residual, superado apenas pelo cloro. Além de seu uso em estações de tratamento de para água, o ozônio também é utilizado em outras indústrias, como a de purificação de ar, desinfecção de roupas e na preservação de alimentos.

Devido sua instabilidade, em estações de tratamento de água, o ozônio é produzido no local e possui um tempo de vida de ~20 a 90 minutos, depois disto, se converte em oxigênio.

Os métodos mais populares para a formação de ozônio são os métodos através de luz UV e descarga de corona. O método de luz UV divide as moléculas de oxigênio com luz UV dando como resultado átomos de oxigênio livres (O) que se unem a moléculas de oxigênio (O2) para formar ozônio (O3). As estações de tratamento de água que utilizam deste método, possuem geradores com luz ultravioleta e um tubo de fornecimento de oxigênio. O ozônio gerado é armazenado e bombeado para um tanque de contato onde se mistura com a água residual e reage com os seres patogênicos para desinfecção da água. Este método é empregado principalmente em pequenas operações devido ao baixo custo.

O método de descarga de corona é similar ao método de luz UV, mas ao invés de utilizar a luz para romper as moléculas de oxigênio (O2) e gerar átomos de oxigênio livres (O), este método utiliza descargas elétricas. Uma vez filtrado, o oxigênio em forma de gás seco é levado até uma câmera qe receberá uma descarga elétrica para romper o oxigênio, após isto, os átomos de oxigênio livre (O) se unem com as moléculas de oxigênio (O2) para formar ozônio (O3). O ozônio gerado é capturado e liberado para um tanque de contato onde está a água residual. O método de descarga de corona é preferido em muitas operações por sua maior eficiência desinfetante em comparação com o método de UV.

Aproveitando a natureza oxidante do ozônio para sua medição, a Hanna Instruments oferece o controlador de ORP HI8720 com indicação em mV e saída analógica de 4 a 20 mA. O HI8720 permite a seleção de um ponto de ajuste para a dosagem de ozônio mediante a operação de uma válvula automática.

Quando utilizado com o controlador de pH HI8710, o DFEPO (Dispositivo para função de ligação para ORP) assegurará que a dosagem de ORP começará somente quando o nível de pH estiver correto.

Estes instrumentos foram projetados para uma instalação fácil e rápida que são controlados através de um teclado na parte frontal, uma tela grande e funções de autodiagnostico.

Além disso é possível escolher uma saída para conectar um registrador ou um PLC, com 0-20 ou 4-20 mA. Também é incluso uma cobertura transparente em frente ao controlador para protege-lo contra respingos.

Siga-nos