Medindo o pH em soluções orgânicas

Escrito em Postado em Boletins Laboratório, Deixe um comentário.

É como que operadores reclamem que seu medidor de pH não funciona para amostras orgânicas. Eles relatam leituras erradas e instáveis ​​e uma velocidade de resposta do eletrodo muito limitada. Na amostra, há uma alta resistência devido principalmente à presença de materiais orgânicos, como óleos, álcoois, acetonas ou alguns outros monômeros. Existem eletrodos de pH no mercado especialmente projetados para este tipo de aplicação.

O pH é um dos principais parâmetros de medição usados ​​na indústria em todo o mundo. Com aplicações cada vez mais exigentes, há um problema ao medir amostras que contêm muito pouca água como solvente ou quando o solvente está completamente livre de água e é principalmente alguma substância ou composto orgânico.

A alta resistência (baixa condutividade) de alguns compostos orgânicos pode causar leituras muito instáveis ​​e ruído no sinal obtido.

Alguns exemplos de substâncias orgânicas são tintas, óleos de cozinha, derivados de petróleo, líquidos anticongelantes para automóveis, álcoois e acetonas.

Dentro de compostos orgânicos, existem alguns exemplos que, devido à sua ligação química, têm um comportamento particular, como compostos polares (etanol, metanol, propanol, ácido acético) e compostos não polares (éter dietílico, clorofórmio, tolueno, benzeno).

Nesses tipos de substâncias, os eletrodos de pH desidratam com grande velocidade e sua resposta cai significativamente. Ao trabalhar com substâncias viscosas, a sujeira contaminará o eletrodo e as amostras subsequentes; portanto, nesses casos, deve ser usado um solvente que dissolva os restos da amostra no bulbo do eletrodo como parte do procedimento de limpeza.

Tudo isso influencia a resposta que um eletrodo de pH pode fornecer. A resposta será mais rápida e mais estável se a atividade iônica for maior na amostra.

Esses problemas são causados ​​por diferentes razões: O bulbo de vidro, cuja resposta depende da fina camada externa de hidratação para detectar a atividade do íon de hidrogênio, pode não estar presente e causar leituras errôneas ou com muito pouca estabilidade. Também pode ser que a solução de preenchimento de eletrodo não seja miscível na amostra e o potencial gerado na junção cause um deslocamento da leitura do pH.

Em eletrodos com preenchimento de gel, a amostra pode não ser compatível e pode ficar contaminada, levando à degradação prematura do preenchimento. Além disso, as soluções aquosas comumente usadas para o preenchimento de eletrodos podem dar uma resposta muito diferente em comparação com amostras não aquosas. Em muitos casos, a medição em uma amostra não aquosa será um valor relativo ao pH, mas não será uma relação direta, como acontece com o valor do pH de uma solução aquosa.

Para a medição neste tipo de substâncias difíceis, a HANNA® Instruments fabrica um eletrodo feito para substâncias não aquosas que fornecerá uma resposta adequada. Para resolver esses problemas que surgem com solventes como o ácido acético glacial usado na preparação do eletrólito de referência, foi desenvolvido um eletrodo de pH especializado para as fases orgânicas. O HI1151B possui uma junção dupla e seu corpo de vidro é recarregável. A tampa de enchimento é feita de polipropileno. As vedações internas que isolam a conexão do eletrodo interno ao cabo são feitas de um elastômero termoplástico chamado TVF. Para proteção adicional na parte interna do eletrodo, uma resina é usada para selar a tampa verde de polipropileno com o tubo de vidro.

Siga-nos