Guia para Higienização e Desinfetantes

Escrito em Postado em Boletins Laboratório, Processo Industrial, Deixe um comentário.

Enquanto o mundo se esforça para lidar com uma pandemia global, como saber se a higienização está sendo feita adequadamente?
Ou qual é o melhor desinfetante para usar? É possível usar diferentes desinfetantes ao mesmo tempo?

O que é higienização?

De acordo com o FDA, higienização é “a aplicação de calor cumulativo ou produto químico em uma superfície de contato com alimentos limpos que, quando avaliada quanto à eficácia, é suficiente para produzir uma redução de 5 logs, que é igual a 99,999999% de redução de microrganismos representativos de doenças de importância para a saúde pública”. A higienização não se aplica apenas à produção de alimentos, mas também a serviços de alimentação, tratamento de água, cervejarias, piscinas e spas, academias, papel e celulose, hospitais e serviços de saúde, entre outros. Neste artigo, falaremos sobre a aplicação de produtos químicos para uma desinfecção eficaz.

Limpeza vs. Higienização

Uma das principais medidas necessárias para a eficácia da higienização é começar o processo com uma superfície previamente limpa. É importante saber a diferença entre limpeza e higienização: Limpeza tem como objetivo remover oleosidades, gorduras e detritos de uma superfície; já a higienização é responsável pela destruição de micro-organismos presentes nesta superfície. É essencial que a superfície esteja limpa antes do desinfetante ser aplicado, pois alguns desinfetantes, como o cloro, podem reagir com detritos orgânicos diminuindo sua eficácia. Limpar a superfície antes da desinfecção, garante o máximo contato entre o desinfetante e a superfície subjacente.

A Eficácia dos Desinfetantes

Para garantir a eficácia da higienização é necessário escolher o tipo correto de desinfetante para controlar os patógenos de interesse com base na avaliação de riscos – falaremos mais sobre isso posteriormente. Existem três fatores adicionais na determinação da eficácia de um desinfetante para uma aplicação específica: a concentração de um desinfetante, a temperatura e o tempo de contato.

Concentração do Desinfetante

Muitas vezes, os desinfetantes são vendidos em forma concentrada e, portanto, devem ser diluídos para a concentração desejada antes do uso. As diretrizes do setor, os regulamentos federais e as instruções do fabricante são recursos fantásticos para determinar as concentrações corretas e obter a máxima eficácia.

Temperatura

Temperaturas muito altas ou muito baixas podem inibir a eficácia da desinfecção. É importante considerar a temperatura do ambiente em que o desinfetante será aplicado. A maioria dos desinfetantes funciona melhor em temperaturas de 12 a 50 °C.

Tempo de Contato

A maioria dos desinfetantes não mata os micro-organismos instantaneamente. Eles requerem um tempo mínimo em contato com a superfície para que a ação de desinfecção seja eficaz. Existem diretrizes gerais para o tempo de contato com base na classe de desinfetante.

Por que medir a concentração?

Desinfetantes diluídos inadequadamente terão eficácia limitada, enquanto desinfetantes muito fortes podem ser tóxicos e deixar resíduos desagradáveis nos produtos. Portanto, é fundamental monitorar a concentração dos desinfetantes para garantir que eles atinjam a desinfecção pretendida de maneira segura. O foco deste artigo será examinar os diferentes métodos de teste para monitorar a concentração desses vários desinfetantes.

Como medir os desinfetantes?

As técnicas de medição dependem dos ingredientes ativos do produto químico. No entanto, existem várias tecnologias gerais usadas para monitorar a concentração.

Fitas de Teste

Prós: Barato. Fácil de usar.

Contra: Não é muito preciso. Resolução muito baixa.

As tiras de teste são tiras de papel atadas a produtos químicos que reagirão com um desinfetante para produzir uma mudança de cor. A cor da tira é então comparada a uma tabela de cores para determinar a concentração. Essas tiras são convenientes, fáceis de usar e relativamente baratas. As desvantagens das tiras de teste são que elas oferecem resolução limitada, são subjetivas ao usuário e fornecem pouco em termos de manutenção de registros.

Kits de Teste Químico

Prós: Fácil de usar. Mudança de cor.

Contra: É necessário fazer o descarte correto dos produtos químicos. Baixa resolução.

Com alguns kits de teste químico, uma amostra de um determinado tamanho é coletada e, em seguida, produtos químicos ou reagentes são adicionados a essa amostra para gerar uma mudança de cor. Assim como nas tiras de teste, essa alteração de cor é comparada a uma tabela de gradiente de cores para determinar a concentração. Outros kits de teste são titulações em pequena escala (consulte a seção de titulação), onde gotas de um produto químico são adicionadas à amostra até que uma mudança de cor seja observada. O número de gotas usadas para produzir essa cor é então usado em um cálculo para determinar a concentração. Semelhante às tiras de teste, esses métodos de análise são fáceis de usar e relativamente baratos, mas fornecem novamente uma resolução limitada e são subjetivos. O descarte correto dos resíduos de produtos químicos perigosos também é necessário.

Fotometria (e Espectrofotometria)

Prós: Opção de medidores portáteis ou de bancada. Maior precisão. Pode ser personalizável.

Contra: Preço maior. Requer maior conhecimento técnico.

Essa tecnologia opera sob um princípio semelhante aos kits de teste químico. Uma amostra é coletada, os reagentes são adicionados e uma mudança de cor é produzida. No entanto, em vez de avaliar manualmente a cor com base em uma tabela, um instrumento com um fotodetector interpreta os resultados e fornece uma leitura digital da concentração. Isso elimina a subjetividade e fornece resultados mais consistentes entre os operadores. Esses testes podem estar sujeitos a interferências de amostras coloridas ou turvas, além de íons concorrentes que podem estar presentes na amostra. Considerações adicionais para a eliminação de resíduos podem ser necessárias, dependendo dos reagentes. Esses instrumentos podem variar de preço, dependendo da sofisticação óptica, faixa de comprimentos de onda e recursos adicionais, como armazenamento, que podem ajudar na manutenção de registros.

Titulação (Titulação Automática)

Prós: Muito preciso. Capacidade de realizar múltiplos testes.

Contra: Preço alto. Requer treinamento.

A titulação é uma técnica na qual um produto químico de uma concentração conhecida, “titulante”, é adicionado a uma amostra de um analito de concentração desconhecida até que ocorra uma mudança de cor ou outro sinal potenciométrico. O volume de titulante adicionado é então usado em um cálculo para determinar a concentração, para que isso funcione, o titulante e o analito devem ter uma reação conhecida e previsível. As titulações podem ser realizadas com conta-gotas (kits de teste químico), uma bureta manual com uma torneira ou através de um sistema de titulação automática. As titulações manuais, conforme mencionado, podem ser subjetivas e oferecer pouco em termos de manutenção de registros. Os sistemas automatizados são muito mais precisos, reduzem as inconsistências entre os operadores e podem exportar dados para registros de verificação. As configurações de titulação manual são relativamente baratas, enquanto os sistemas automáticos geralmente requerem um investimento inicial.

Sensores Eletroquímicos

Prós: Muito preciso. Pode ser usado em vários tipos de análise.

Contra: Precisa ser utilizado em conjunto com outro instrumento.

Sensores eletroquímicos são dispositivos que fornecem informações sobre a composição de uma solução. Eles trabalham detectando analitos específicos ou propriedades dos analitos e convertendo-os em um sinal elétrico que é traduzido e exibido em um monitor ou medidor. Muitas vezes, a calibração com um material de referência é necessária para obter uma concentração precisa. Eletrodos de pH, sensores de condutividade, oxigênio dissolvido, eletrodo de ORP (potencial de oxirredução) e eletrodos de íons seletivos são exemplos de sensores eletroquímicos.

Hidrômetro

Prós: Relativamente barato. Fácil de usar.

Contra: Só pode ser usado em alguns tipos de testes.

Um hidrômetro é um instrumento utilizado para medir a gravidade específica ou a densidade relativa de uma solução. Opera com base nos princípios de flutuabilidade. Um hidrômetro manual é um tubo selado que possui uma haste estreita e uma base mais larga preenchida com mercúrio ou chumbo para mantê-lo na vertical quando submerso em solução. A amostra a ser medida é derramada em um recipiente alto, como um cilindro graduado, e o hidrômetro é baixado na amostra até que flutue livremente. Há uma escala de gravidade específica ou uma escala específica para um analito. A altura em que a amostra atinge a haste é registrada como a medida. A temperatura afeta muito essa medição; portanto, deve-se tomar cuidado para corrigir isso. Também existem hidrômetros digitais com termômetros embutidos para reduzir o erro associado à leitura da escala. Alguns desses medidores digitais também terão funções de armazenamento para manutenção de registros.

Cromatografia

Prós: Pode realizar múltiplos testes. Muito preciso.

Contra: Maior investimento. Requer treinamento.

A cromatografia é uma maneira de separar componentes individuais de uma mistura. Uma fase móvel com amostra é realizada através de uma fase estacionária, que faz com que os componentes se separem com base em várias propriedades químicas, incluindo volatilidade, massa, afinidade, etc. As proporções relativas dos componentes individuais podem ser determinadas através de um detector específico. Tipos comuns de cromatografia incluem cromatografia líquida (incluindo HLPC) cromatografia gasosa (GC), cromatografia de troca iônica (IC), etc. Esses instrumentos são muito precisos, mas requerem pessoal qualificado para obter bons resultados. Os instrumentos de cromatografia são relativamente caros.

Escolhendo o Método de Teste Correto

Com tantas opções, pode ser difícil determinar qual método é adequado para a sua aplicação. Abaixo estão algumas considerações a serem consideradas durante a escolha:

  • Custo inicial de instrumentação e treinamento
  • Custos rotativos de consumíveis e serviços
  • Nível de habilidade do operador
  • Onde o teste deve ser realizado (por exemplo, ambiente de produção x laboratório)
  • Recomendações de regulamentação
  • Precisão necessária
  • Espaço disponível no laboratório
  • Preparação de amostra
  • Tempo de análise
  • Outras aplicações para instrumentos para ROI
  • Gestão de dados
  • Suporte
  • Disponibilidade de peças de reposição

Tipos de Desinfetantes

A seguir, analisamos mais detalhadamente os desinfetantes. Embora existam diretrizes gerais fornecidas, é importante seguir as recomendações do fabricante para uso.

Iodo

O iodo faz parte da classe oxidante de desinfetantes, comumente conhecida como iodóforos. O iodo é usado em uma variedade de aplicações. Indústrias como produção de alimentos, laticínios, cervejaria, vinificação, restaurantes, saúde e aquários. A concentração de iodo quando usado como desinfetante deve estar entre 12.5 ppm e 25 ppm. O iodo pode atacar e/ou inibir o crescimento de bactérias, leveduras, fungos, mofo, vírus e protozoários. Este desinfetante pode ser medido através de vários tipos de teste. Isso inclui tiras de teste, kits de testes químicos, fotometria (espectrofotometria), sensores eletroquímicos e titulação.

PrósContras
Eficácia relativamente ampla na faixa de 2 a 5 pHDe 2 a 4x mais caro que o cloro
Eficaz contra muitos microrganismos diferentesMuito dependente de temperatura entre 21 a 49 °C
Relativamente estável em áreas com resíduos orgânicos residuaisMaior tempo de contato necessário
 Pode manchar plásticos porosos

Ácido Peroxiacético (Ácido Peracético)

O ácido peroxiacético, também conhecido como ácido peracético (POA ou PAA), é um oxidante eficaz usado em diversas aplicações, sendo notável na indústria de alimentos; Processadores de alimentos, cervejarias, vinificação, restaurantes, desinfecção de carnes/frutos do mar/aves, desinfecção de ovos, fabricação de papel e celulose, assistência médica e lavagem de produtos (é aprovado inclusive para produção de produtos orgânicos). Entre 24 a 80 ppm de ácido peracético funciona muito bem na higienização de alimentos quando o desinfetante está em contato direto com o item. Para higienizar equipamentos ou superfícies, você pode usar uma concentração maior, entre 50 e 500 ppm. O ácido peracético é eficaz contra bactérias, leveduras, fungos e esporos. O teste do ácido peracético pode ser realizado com diferentes métodos, incluindo tiras de teste, fotometria (espectrofotometria), sensores eletroquímicos e titulação.

PrósContras
Mantém a eficácia em solos orgânicos, diferentemente do cloroCorrosivo para a pele
Água dura não é um problemaQuebra rapidamente, portanto a concentração deve ser monitorada com frequência
Ambientalmente amigável, pois se decompõe em vinagre e oxigênioNão deixa proteção residual, como cloro
 De 3 a 5 vezes mais caro que o cloro
 Mais eficaz em pH > 7

Bromo

O bromo é outro desinfetante da família dos oxidantes. É comumente chamado de ácido hipobromoso. O bromo é geralmente usado em piscinas e spas, torres de resfriamento, fabricação de papel e celulose, indústria de carnes e tratamento de água. A concentração de bromo necessária para a higienização varia de acordo com a indústria/aplicação.

Indústria/AplicaçãoConcentração de Bromo (ppm)
Piscinas e Spas1 a 3
Torres de Resfriamento2.5 a 15
Pasteurizadores industriais1 a 9
Papel e celulose1 a 9
Fontes Decorativas4.5 a 9
Avicultura200 a 450
Carne300 a 900

O bromo é capaz de atingir bactérias, fungos, algas e lodo. O teste de bromo pode ser realizado com diferentes métodos, incluindo tiras de teste, fotometria (espectrofotometria), sensores eletroquímicos e titulação.

Prós Contras
Não deixa muito resíduo, portanto não requer produtos químicos adicionais para remoção Não é uma boa opção para água potável
Funciona em uma faixa mais ampla, 7 a 8.5, de pH que o cloro – Melhor para águas alcalinas Por ser tão reativo, é necessário adicionar mais para ser eficaz
Mais estável em temperaturas mais altas que o cloro – Melhor para banheiras de hidromassagem Corrosivo para metais
  De 3 a 5 vezes mais caro que o cloro
  Não reage adversamente com amônia como cloro

Cloro

O cloro é o último desinfetante da família dos oxidantes sobre o qual falaremos. É também chamado de hipoclorito e dióxido de cloro. O cloro pode ser usado em muitas aplicações práticas para residências, água potável, tratamento de água, produção de alimentos, lavagem de roupas, processamento de carnes e aves, produção de ovos, serviço de alimentação, piscinas, spas e em aquários. A concentração de cloro necessária para a higienização varia de acordo com a indústria/aplicação.

Indústria/Aplicação Concentração de Cloro (ppm)
Cloro como desinfetante 50 a 200 ppm
Água Potável 1 ppm de cloro residual
Carne e avicultura 50 a 100 ppm
Lavagem de Produção 40 a 350 ppm (pode variar)
Piscinas e Spas 1.5 a 3 ppm de cloro residual

O cloro é capaz de atacar bactérias, fungos, vírus e mofo. Os testes de cloro podem ser realizados com diferentes métodos, incluindo tiras de teste, kits de testes químicos, fotometria (espectrofotometria), sensores eletroquímicos e titulação.

Prós Contras
Relativamente barato Cheiro forte
Baixo tempo de contato necessário para a eficácia Reage com detritos orgânicos, diminuindo a eficácia
  Eficaz na estreita faixa de 6.7 a 7.5 pH
  Corrosivo
  Irritante para a pele
  Deixa cloro residual, o que pode afetar o sabor

Uma aplicação emergente de cloro como ácido hipocloroso (HOCl) está ganhando terreno na indústria odontológica. O Kois Center em Seattle, Washington e seu comitê científico lançaram recentemente uma nova abordagem para a higienização em um consultório médico. Eles usam uma pequena unidade de eletrólise para eletrolisar os sais em uma solução de sal, vinagre e água destilada; criando assim ácido hipocloroso. Isso permite que os consultórios esfumacem o espaço com desinfetante eficaz após a saída do paciente. O esfumaçamento da sala limpa e higieniza as superfícies sem que dentistas, higienistas e funcionários do consultório precisem limpar manualmente o consultório após cada paciente.

Amônia Quaternária

A amônia quaternária, também conhecida como QUATs, faz parte da família de desinfetantes de surfactantes. Ao olhar para os rótulos, você também pode vê-lo listado como cloreto de benzalcônio, cloreto de benzetônio, cloreto de alquil-dimetil-benzilamônio, cloreto de alquil-dimetil-etilbenzil-amônio, cloreto de didecildimetilamônio ou cloreto de dioctil-dimetilamônio. A amônia quaternária é usada em processadores de alimentos, vinificação, desinfecção doméstica, fazendas de carnes e aves, serviço de alimentação, assistência médica e aquários. É capaz de atingir bactérias, fungos, vírus e mofo. Ao usar amônia quaternária, sempre consulte as especificações do fabricante ao determinar qual concentração usar. Geralmente, a concentração é de cerca de 200 ppm. Métodos de teste comuns para determinar a concentração de amônia quaternária são tiras de teste, kits de testes químicos, fotometria (espectrofotometria), titulação, sensores eletroquímicos e cromatografia.

PrósContras
IncolorIrrita a pele e o sistema respiratório
InodoroIneficaz contra esporos e bactérias gram-negativas
Não corrosivoSensível para água dura
Funciona em uma faixa de 6 a 10 pH 
Pode ser usado em altas temperaturas 

Etanol

O etanol é um tipo de álcool que pode ser usado como desinfetante. Também chamado de álcool etílico. É comumente usado em higienizadores para as mãos e em serviços de saúde. Para ser eficaz, o etanol deve ter uma concentração entre 60% e 95%. O etanol tem como alvo bactérias, fungos e vírus. Métodos de teste comuns para determinar a concentração de etanol são hidrometria, fotometria (espectrofotometria) e cromatografia.

PrósContras
Amplamente disponívelPode deixar as mãos secas e rachadas
Baixo tempo de contatoNão esporicida
 Altamente inflamável

Verificação de Higienização

Além de medir a concentração de um desinfetante, é crucial monitorar a eficácia da desinfecção por meio de verificação. A verificação é uma etapa crítica dos SSOP (Procedimentos Operacionais Padrão de Higienização) e GMP (Boas Práticas de Fabricação), e não deve ser ignorada. As zaragatoas de proteína e as zaragatoas de bioluminescência de ATP (trifosfato de adenosina) são comumente usadas ​​antes e depois da higienização para monitorar a eficácia. Esses tipos de zaragatoas indicam os níveis de detritos e resíduos orgânicos na superfície. Testes positivos podem indicar que a higienização foi incompleta e a superfície deve ser desinfetada novamente antes de ser utilizada. No entanto, nem toda a presença orgânica é causada por patógenos, pois os resíduos alimentares também serão incluídos nessas leituras. Para testar os níveis de microrganismos presentes, as amostras são coletadas e enviadas para testes microbiológicos. Muitas vezes, os organismos indicadores são usados ​​para determinar se a higienização foi completa, porque são fáceis de testar e mais baratos. As amostras indicadoras são frequentemente micróbios comuns que compartilham características do organismo-alvo, sendo E.Coli um exemplo comum. O teste de patógenos específicos também pode ser realizado, mas eles geralmente são menos disponíveis e mais caros.

Boas Práticas e Segurança de Higienização

A importância de medir e monitorar a higienização é apenas parte do quebra-cabeça. Outras considerações para garantir a segurança de seus colaboradores e produtos/serviços incluem:

  • Disponibilizar recipientes facilmente identificáveis para higienizadores.
  • Manter as fichas técnicas de segurança à mão para todos os produtos de higienização.
  • Garantir que o pessoal use o EPI (equipamento de proteção individual) adequado ao manusear os desinfetantes.
  • Manter os concentrados afastados das superfícies de contato com alimentos.
  • Conhecer os produtos químicos em seus desinfetantes.

NOTA: A mistura desses produtos pode causar reações químicas violentas.

  • Treinar seu pessoal regularmente sobre as melhores práticas e segurança.
  • Descartar os produtos q os produtos químicos de forma segura e adequada.

Siga-nos