Efeitos da umidade e da temperatura na deterioração de obras de arte

Escrito em Postado em Aplicações Indústria Gráfica, Deixe um comentário.

Muitos de nós têm fotografias, cerâmica e outras obras de arte em nossas casas, mas prestamos pouca atenção aos cuidados que devem ser dados às elas quando são limpas ou não são protegidas contra a água.

Nenhuma quantidade de água, nem mesmo poucas gotas, deve cair sobre uma obra de arte. No entanto, a água pode vir de outras fontes além de respingos e derramamentos, como da atmosfera.

A umidade e a luz são os principais culpados pela deterioração das obras de arte. Umidade é a quantidade de água presente no ar; no entanto, para obras de arte, o parâmetro crítico é a umidade relativa (UR/RH), que é a quantidade de moléculas de água que o ar pode conter a uma determinada temperatura, expressa como uma porcentagem da saturação da umidade.

A UR depende diretamente da temperatura: quando a temperatura diminui, o ponto de saturação do ar também diminui. Por exemplo, se a quantidade de umidade em uma sala permanecer constante, mas a temperatura cair, a UR aumentará porque o ponto de saturação diminuirá.

Tanto a umidade quanto a temperatura são importantes para preservar as obras de arte, tanto que os sistemas de climatização (aquecimento, ventilação e ar condicionado) são desenvolvidos especificamente para museus, com o objetivo de regular os níveis de umidade e temperatura.

Se a umidade relativa do ar for muito alta, pode causar manchas, oxidação, corrosão, desbotamento, protuberâncias e danos estruturais das peças de arte, uma umidade relativa acima de 65% pode causar o crescimento de fungos. Se for muito baixa, pode causar fragilidade, rachaduras, deformações, deteriorações ou quebras.

A faixa ideal de temperatura para uma obra de arte é de 18 a 20°C e é importante não exceder 24°C por períodos prolongados, a menos que você tente reidratar a peça. O controle de umidade e temperatura é especialmente importante para peças de arte em madeira, tela e papel, mas afrescos e peças de barro também estão sujeitos a danos em ambientes mal controlados.

As condições ambientais ideais para armazenar peças de arte são uma flutuação máxima de temperatura de ± 5°C diariamente e uma flutuação máxima diária de umidade relativa de ± 3%.

Aplicação

Um arquivista do museu entrou em contato com a HANNA® para obter informações sobre um sensor e transmissor de umidade. O arquivista havia adquirido recentemente uma coleção de jornais e fotografias que queria preservar. Depois de conversar com o arquivista, o representante de vendas da Hanna sabia que a sala que eles precisavam medir tinha seu próprio sistema de climatização que idealmente poderia ser controlado pelas leituras de temperatura e umidade.

Os especialistas da HANNA® recomendaram o transmissor de umidade e temperatura relativa HI8666. Este transmissor possui um sensor de umidade relativa e temperatura incorporado. O cliente ficou muito satisfeito com a ampla faixa do transmissor, de 0 a 100% de umidade relativa e de -20 a 60°C, bem como com a alta precisão de ±2% de umidade relativa na faixa de 5% a 95% e ±1% da escala de temperatura total. O transmissor HI8666 também possui uma saída de comunicação analógica de 4 a 20 mA para ambos os parâmetros. Essa saída pode ser enviada para painéis ou sistemas externos, incluindo o sistema de controle HVAC que o cliente já possuía.

Os limites estabelecidos para a temperatura podem fazer com que o sistema HVAC ative o calor ou o ar condicionado na sala. Os alarmes de umidade relativa no controlador podem notificar o pessoal do museu a usar umidificadores ou dessecantes quando necessário. Em geral, o arquivista ficou muito satisfeito com esta solução altamente precisa e com a fácil integração do transmissor em suas medições de umidade relativa e temperatura.

Siga-nos